Ação da PF torna visível abuso de autoridade de Moro, diz Dilma: ‘Esforço inconsequente’

Ministro Fachin negou pedido de prisão. “Ela foi convidada a prestar esclarecimentos à Justiça”, afirma assessoria da ex-presidenta

A ex-presidenta Dilma Rousseff classificou como absurdo, esforço inconsequente e abuso de autoridade o pedido de sua prisão, em operação da Polícia Federal deflagrada hoje (5), para investigar suposto repasse de R$ 40 milhões a políticos do MDB. Também foram pedidas as prisões do ex-ministro Guido Mantega, do ex-presidente do Senado Eunício Oliveira, do ex-senador Valdir Raupp, do senador Renan Calheiros (MDB-AL) e do ministro Vital do Rêgo, do Tribunal de Contas da União (TCU).

Os pedidos de prisão, porém, foram rejeitados pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF). A Procuradoria-Geral da República (PGR) também foi contra as prisões, por não existirem elementos para a medida.

“Os pedidos foram realizados no âmbito de um inquérito que apura suposta “compra e venda” de apoio político do MDB em benefício do PT nas eleições presidenciais de 2014. A PF se baseou – para variar – em delações premiadas do executivo Ricardo Saud, delator do caso J&F, e do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado”, afirma o portal Conversa Afiada.

Para o líder do PT na Câmara, o deputado Paulo Pimenta (RS), Sergio Moro continua no seu papel de “Himmler” de Bolsonaro. “Transformou a Polícia Federal numa Gestapo e tentou prender a presidenta Dilma para seguir seu plano de eliminar a oposição. O Brasil NÃO vive uma democracia plena. Quem precisa ir urgente para a cadeia é Moro!”, afirmou em suas redes sociais.

Em agosto, a PF encaminhou ao STF um ofício sigiloso de nove páginas com a relação completa dos pedidos solicitados para a decretação de prisões temporárias, buscas e apreensões e a coleta de depoimentos dos investigados. Ao jornal O Estado de S.Paulo, o ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão, que defende Dilma, afirmou que “é necessário evidenciar que Dilma Rousseff não figura entre os investigados no inquérito e foi chamada exclusivamente para dar esclarecimentos em relação ao caso”.

O Conversa Afiada lembra que a “tentativa da PF, subordinada a Sergio Moro e Jair Bolsonaro, de prender Dilma, vem em meio às escabrosas revelações do caso Marielle e um dia antes do megaleilão da cessão onerosa do pré-sal – aquele que, como bem definiu Dilma, é atentado gravíssimo e de prejuízos sem precedentes à nossa soberania”.

Confira a nota de Dilma Rousseff:

NOTA À IMPRENSA

É estarrecedora a notícia de que a Polícia Federal pediu a prisão da ex-presidenta Dilma Rousseff num processo no qual ela não é investigada e nunca foi chamada a prestar qualquer esclarecimento.

A ex-presidenta sempre colaborou com investigações e jamais se negou a prestar testemunho perante a Justiça Federal, nos casos em que foi instada a se manifestar.

Hoje, 5 de novembro, ela foi convidada a prestar esclarecimentos à Justiça, recebendo a notificação das mãos civilizadas e educadas de um delegado federal. No final da tarde, soube pela imprensa do pedido de prisão.

O pedido de prisão é um absurdo diante do fato de não ser ela mesma investigada no inquérito em questão. E autoriza suposições várias, entre elas que se trata de uma oportuna cortina de fumaça. E também revela o esforço inconsequente do ministro da Justiça, Sergio Moro no afã de perseguir adversários políticos. Sobretudo, torna visível e palpável o abuso de autoridade.

Ainda bem que prevaleceu o bom senso e a responsabilidade do ministro responsável pelo caso no STF, assim como do próprio Ministério Público Federal.

Assessoria de Imprensa

Dilma Rousseff

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s