Ter consciência para ter igualdade.

Arte: CNTRV

Nota da Secretaria Nacional pela Igualdade Racial da CNTRV/CUT

Escrito por: Arlete Silva – Sec. pela Igualdade Racial da CNTRV/CUT

               A eleição de um Presidente cujas declarações incentivam o racismo e a intolerância, significa o fim do intervalo histórico de 14 anos em que o Estado brasileiro adquiriu e promoveu um pouco mais de consciência sobre os 518 anos de discriminação de seu povo negro.  Jair Bolsonaro (PSL) não reconhece a dívida histórica do país com sua população negra e ironiza a luta por igualdade racial.

               Neste contexto, o Dia Nacional da Consciência Negra de 2018 toma uma proporção ainda mais importante. Avanços conquistados durante os governos democráticos e populares desenvolvidos pelo Partido dos Trabalhadores podem estar com os dias contados. É o caso das cotas nas universidades, sobre as quais o presidente eleito prometeu mudanças que arrancam da juventude negra e pobre o acesso ao ensino superior público e de qualidade.

                Em nosso país, os negros representam 54% da população. No grupo dos 10% mais pobres, os negros representam 75% das pessoas, mas entre o 1% mais rico, somam apenas 17,8% dos integrantes.

                As mulheres negras, assim como a juventude, são ainda mais afetadas. Para elas, o desemprego é 50% maior que para o resto da população, sem contar que os índices de violência também são piores para mulheres e jovens negros.

                O racismo persiste em nossa sociedade e suas consequências vão além das ofensas verbais e morais. Ele se faz presente no emprego, na moradia, no acesso aos serviços públicos e privados, nos salários, nas condições de trabalho e nas oportunidades. A cor da pele ainda determina a vida e a morte de milhares de jovens nas periferias Brasil afora.

                A população negra ainda é escrava da consciência de nossos governantes que pouco ou nada fazem para combater o racismo e implementar políticas públicas que resultem em mais oportunidades na vida e no trabalho de milhões de negros e negras.

                Para ter igualdade, primeiro é preciso ter “consciência”. A resistência que marcou nosso passado será ainda mais necessária para o nosso futuro.

Arlete Silva Santos – Secretária Nacional pela Igualdade Racial da CNTRV

Arlete Silva Santos – Secretária pela igualdade racial da CNTRV/CUT
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s