Sindicato barra reforma e impede trabalho insalubre de grávidas e lactantes

Vitória contra a reforma trabalhista neste tema é uma exceção no país, diz Dieese

 

Por: Redação CUT/SP

Em agosto, o Sindicato dos Trabalhadores no Vestuário de Sorocaba e Região intensifica suas ações nas fábricas localizadas em Sorocaba, Votorantim e Ibiúna, no interior paulista. Com data-base em 1º de julho, a entidade percorrerá os locais de trabalho para conversar com a categoria sobre as conquistas alcançadas na campanha salarial deste ano.

Com destaque, além do reajuste salarial de 4%, férias integrais e cesta básica garantidos em convenção coletiva, entre outros aspectos, a entidade aponta para a  nova cláusula aprovada que garante às mulheres grávidas ou lactantes o direito de serem afastadas de locais insalubres (que fazem mal à saúde).

A aprovação desta cláusula, afirma a presidenta do sindicato, Paula Proença,  é uma vitória frente à reforma trabalhista, que estabeleceu uma série de modificações na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). A dirigente se refere ao item da reforma que permite que grávidas trabalhem em locais insalubres, com frio, radiação ou barulho, por exemplo.

“Temos uma base de 2 mil trabalhadores, mas sabemos que as mulheres são sempre as mais impactadas na retirada de direitos e essa conquista pode servir de exemplo para outras empresas, de outros segmentos, para que tenham um olhar para as trabalhadoras que estão nas fábricas”, diz Paula, que integra a direção de um sindicato ocupado apenas por mulheres.

A garantia deste direito se estende para trabalhadores e trabalhadoras sindicalizados ou não, explica a secretária-geral do sindicato, Márcia Viana, que lembra, contudo, a importância dos sindicatos nas mesas de negociação com os patrões.

“Essa conquista só foi possível porque temos um instrumento de resistência em nossas mãos. Isso prova que quanto mais a categoria fortalecer os sindicatos, mais conseguirá barrar a retirada de direitos como a que temos enfrentado a partir das ações de Michel Temer (MDB) e dos golpistas no país”, avalia a dirigente, que também ocupa a Secretaria da Mulher Trabalhadora da CUT São Paulo.

Com base no Sistema Mediador, do Ministério do Trabalho, são 15 os instrumentos coletivos no Brasil que citam a questão da insalubridade para gestantes. Segundo o sociólogo e técnico do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), Daniel Ribeiro, apenas dois acordos negociam isso atualmente, ambos na cidade de Maringá, no Paraná. De acordo com ele, a vitória dos vestuários de Sorocaba (SP) é uma exceção no país.

“Percebemos que este é um tema pouco trabalhado nos acordos  e, quando mencionado, em geral, reforça o que está na reforma trabalhista. A Medida Provisória 808, que alterava a Lei 13.467 (reforma trabalhista), era menos desfavorável para as trabalhadoras grávidas, mas também perdeu a validade no dia 23 de abril. Isso causou uma certa confusão até mesmo nas negociações pelo Brasil. A vitória dos vestuários é um exemplo importante para outras entidades sindicais que podem trabalhar esta questão com mais afinco nas campanhas salariais em suas negociações coletivas” avalia.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s