Por reajuste salarial, trabalhadores vestuários fazem greve no Espírito Santo

Os trabalhadores vestuários de Colatina, cidade localizada cerca de 130 quilômetros de Vitória, capital do Estado do Espírito Santo, deflagraram greve por tempo indeterminado. O movimento teve início nesta segunda-feira, 6, e o Sindicato da categoria busca Acordos por empresa. “Como o Sindicato Patronal permanece intransigente em conceder o reajuste e a garantia das cláusulas da Convenção Coletiva, vamos mobilizar os trabalhadores para os Acordos por empresa”, aponta Teany Moreira, presidenta eleita do Sindicato dos Trabalhadores Vestuários de Colatina.  A sindicalista revela que algumas empresas que tiveram suas atividades paralisadas em dois dias de greve já sinalizaram propostas.

Os grevistas reivindicam a reposição da inflação no período de abril de 2015 a maio de 2016. A data-base foi em 1 de abril e após 6 meses de negociações o Sindicato Patronal permanece intransigente e não quer repor a inflação do período.

José Carlos Guedes, membro da direção executiva da CNTRV, acompanhou o movimento e transmitiu o apoio e a solidariedade do Ramo Vestuário da CUT. “Após os trabalhadores entrarem em greve, muitas empresas já chamaram para Acordo o que reforça que o Sindicato Patronal está sendo intransigente. A greve está crescendo e o Sindicato dos Trabalhadores está realizando um excelente trabalho na organização da categoria”, avaliou.

Mobilização vem sendo construída há meses

Em setembro deste ano, Cida Trajano, presidenta da CNTRV, esteve em Colatina e participou de várias ações mobilizatórias contra a intransigência do Sindicato Patronal. Na ocasião, Trajano dialogou com os trabalhadores sobre o fortalecimento da luta pela garantia de direitos.

Cida em Colatina.jpg