Temer vai rever 840 mil auxílios-doença e poderá cortar 3 milhões de aposentadorias por invalidez

Superpensões de políticos e juízes permanecerão intáctas

O governo provisório (ilegítimo) de Michel Temer anunciou que vai cortar 6,3 bilhões  de reais em auxílios-doença e aposentadorias por invalidez. Os benefícios de caráter social concedidos a idosos e deficientes também estão na mira.

Curiosamente, as “superpensões” de juízes, militares de alta patente e políticos não são alvo da suposta economia de Temer. Segundo legislação vigente, o valor das aposentadorias ou pensões privilegiadas pode chegar a 33 mil reais por mês, enquanto o teto de um trabalhador comum não chega a 5 mil reais mensais. Enquanto isso, cerca de 80% dos beneficiários recebem apenas 1 salário mínimo. “Os beneficiários mais pobres serão os mais prejudicados, pois não contam com estrutura para defesa judicial caso tenham o benefício cortado”, prevê José Carlos Guedes, presidente da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias do Couro, Calçado e Vestuarista (Fetracovest)

Temer deverá editar uma Medida Provisória estabelecendo a suspensão automática do auxílio-doença depois de 120 dias de sua concessão. O governo anunciou que irá rever imediatamente 840 mil auxílios-doença e irá investigar cerca de 3 milhões de aposentadorias por invalidez. Os trabalhadores afastados por mais de 120 dias e aposentados por invalidez há mais de 2 anos serão chamados nas agências do INSS  a partir do no mês de agosto para nova perícia. Os peritos do INSS receberão R$ 60,00 de bônus a cada perícia realizada.